As histórias contadas pelas paredes de um pequeno hotel

26
Dez 09

 

 

Naquela tarde, a empregada da limpeza desceu as escadas ofegante.

- Senhor Silvio, senhor Silvio.

 

A tremer, lá contou a história.

Ia fazer a limpeza dos quartos do segundo piso. A porta do quarto 209 estava só encostada. E quando a empurrou... 

 

Fui com ela.

Era verdade. E como eles gozavam, alheios a tudo; ela agarrada ao travesseiro, gemendo e gritando, ele penetrando-a por trás com toda a força, os corpos suados do esforço.

E ele gritava, ela gemia, e só aquele vai-vém, entra e sai, o prazer a subir, a subir., a subir.

 

A empregada de limpeza olhou para mim, pedindo ajuda.

Agarrei-a com raiva de todo o tempo perdido, empurrei-a contra a parede, levantei-lhe a saia verde da farda do hotel e passei-lhe as mãos pelas pernas húmidas.

Ela fechou os olhos, passou a lingua pelos lábios.

Desapertei o cinto das calças e ali mesmo, no perigo de um corredor deserto, à vista de quem quer que surgisse, possui-a como fogo, desvairado de desejo.


Dezembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
17
18
19

20
21

27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
arquivos
2010

2009

Clientes que já aqui dormiram
click for free hit counter
Get a free hit counter here.
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO